domingo, 14 de julho de 2013

O PRIMEIRO DIA


O grande espelho descansava soturno na alva parede do quarto......



Defronte dele o rapazito remexia no cabelo, aperfeiçoando a alta onda dourada que teimava em se desfazer na brisa suave que entrava pela janela.....depois ensaiou o sorriso que saiu aparvalhado para seu grande desgosto." como poderia sorrir para ela assim desta maneira? ". O seu rosto ensombrou-se com a tristeza que nele se entranhou  revivendo momentos e momentos passados onde todos troçavam dele, no caminho para a escola, na escola....
Era alto para a idade, magro e escanzelado....olhos azuis profundos fixaram-se no espelho  algo trocistas....Depois de súbito dando-se conta do que fazia lançou-lhe  um esgar ameaçador e decidido pensando: " Se eu próprio me desdenho como é que os outros não hão de  troçar de mim? "
Algo lhe chamou a atenção num sobressalto.....era um ponto peludo que despontava como sol  no deserto..."que fazia aquilo ali em plena face.....e a sombra fugidia que recortava o seu lábio superior....não podia estar a acontecer-lhe isto agora...Não podia mesmo, quase gritou.....como poderia olhar agora para ela?"
Encolheu os ombros numa muda aceitação dos fatos. Eram horas de sair e meter os pés ao caminho....pelo meio apanharia umas flores silvestres para levar.....Deu um ultimo retoque na teimosa onda de cabelo e ajeitou melhor a T-shirt azul....apertou os seus calções e verificou os seus ténis....pareceu-lhe tudo em ordem e por isso girou os pés abriu a porta do seu quarto, desceu as escadas e lançou no ar um " até logo mãe".

Atravessava o mar de verdura sem fim.....Flores e flores cresciam ali selvagens desafiando o olhar como gritando que eram as mais belas entre as mais belas....parecia que o seu caminho se enfeitara de propósito para ele, oferecendo-lhe de bandeja a beleza selvagem e acenavam-lhe quando a brisa corria mais lesta.... ele baixava-se de vez enquanto sobre o sol tórrido e colhias-as uma a uma lançando um sorriso e murmurando na brisa mudos pedidos de desculpa.....mas era por uma boa causa.....
Por fim o seu ramo estava perfeito e ele cantarolou enquanto saltitava no carreiro serpentino que o levaria ao outro lado da pequena aldeia......








Ao longe a torre do sino tocava badaladas sonoras lançando o pânico na passarada que esbracejando voou.....eram horas de chegar como fora combinado....Mais uns minutos e estaria lá.....
Quase correu os poucos metros que o depositariam no adro da velha igreja de pedra rude e fria.....
O pânico tomou conta dele...".onde estaria? Não a via em lado nenhum.....esqueceu-se!"  Quase soluçou.....
A fita vermelha adornava a estrada.subindo a dolorosa íngreme ladeira de pedra partida....apertava na cintura o vestido de creme suave que esvoaçava.....seus olhos semicerrados abriram-se finalmente num longo sorriso e espanto e o ar silvou saindo aliviado dos seus pulmões.....Uau! O longo cabelo avermelhado flamejava no andar e trouxe-lhe até ele o rosto sardento que tanto amava.....
Com a mão segurando o ramo atrás das costas o rapazito corou  quando ela se postou na sua frente expectante e sedutora.....sorriu lhe como só ela  o sabia fazer e derreteu nesse momento todas as duvidas, todos os receios que o afligiam.
A sua mão estendeu para ela as flores selvagens que colhera e que agora pendiam murchas na sua mão....ela pegou nelas sorridente....cheirou-as, beijou-as, deu-lhe a outra mão e caminharam de mãos dadas ao encontro da porta da igreja.....galgaram os parcos degraus e entraram na grossa e cinzenta arcada....

Ajoelharam-se junto ao alto altar de mármore branco, iluminado por alvas velas e coloridos de vitrais e rodeado do esplendor dourado de  antiga talha pintada e  trabalhada..... nichos e nichos de Santos sem nome para eles, aninhavam-se por ali com semblantes sisudos ou em ares doridos.
Rezaram juntos ao Deus todo Poderoso e pediram que abençoasse o seu amor e uniram-se nessa comunhão.

De pé ele olhou-a uma vez mais, perdido naquela beleza que o cativara desde sempre ....os rostos aproximaram-se e os lábios sorridentes colaram-se pela primeira vez húmidos e trementes....os braços se abraçaram......os corpos foram fustigados por intensas emoções e sensações e  sonharam.....                                    

A lareira brazida acalentava dois vultos vergados  sentados em pequenos banquinhos de madeira de pinho. Ela descascava batatas de sua horta segurando-as nas suas mãos artríticas. Ele de óculos na ponta do nariz rabiscava num papel que já fora branco, linhas de palavras que faziam sentido, cheias de ternura, cheias de emoção, afinal contavam uma história simples, a história das suas vidas....
Levantou os olhos cansados uma vez mais, admirando  a sua companheira de toda uma vida. Já não havia mares de flores por ali para fazer raminhos, nem forças para saltitar....havia sim aquela harmonia singela de quem tudo soube alcançar na vida. Ela ensinara crianças como eles tinham sido outrora, ele escrevera as gotas da sua alma e criara livros cheios de amor e sabedoria....Os poemas que desenhara em estrofes e rimas guardara-os para ela, pois eles continham os elos que os uniam......

Num canto sombrio o padre sorria.....era sempre lindo ver um amor puro, inocente e verdadeiro....o seu rosto franziu-se quando pela sua mente perspassou a inquietante pergunta; " e o futuro como será?"

Será o que Deus e eles quiserem pensou, arrastando os seus velhos passos para o interior da sacristia.....





jorge d'alte