quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Página Vinte


A pele retraiu-se como capa de livro, guardando no âmago da alma toda a beleza de uma vida.Pudera ter sido mais bela, mais vivida mais preenchida? Sem dúvida que sim, mas por muito que queiramos controlar o seu rumo, a vida desafia-nos a cada instante e ao mínimo deslize pagamos duramente, pois só podemos aprender com os nossos erros. Entramos deste modo no mundo dos "SES"...

Página vinte o acabar de um lindo sonho...Se... a velha negra que tudo tira sem dó não existisse tu estavas porventura aqui sorridente e bela só para mim. Agora só me resta a saudade das recordações para te sentir e ver mesmo à luz do dia, mas é nas noites que mais te desejo e que tu vens ter comigo envolta no teu manto de luar, ou vestida de negro com estrelas rebrilhando ofuscadas no teu sorriso. Assim danço contigo nas estrelas do nosso céu, em nuvens fofas e viajantes que nos levam pelo universo dos sentidos, pelos sonhos que um dia foram idealizados para serem realidade.A partitura que regeria esses sonhos foi arrancada na brutalidade e a musica caiu solene e tenebrosa pela força de um destino que não escolhêramos mas tu serás sempre jovem nos meus olhos porque não envelheceste, enquanto que eu definho em cada olhadela num espelho que não mente... mas não morri! Luto por outros sonhos que me trouxeram partes de mim de que não abdico, que são o meu orgulho o meu amor a minha força para viver.
Abracei este novo sonho em amor numa outra sinfonia que se revelou bela e é com ela que percorro todas as notas em cada dia tirando delas o que há de mais belo.Sons que nos enchem de vida, mas algures cá dentro existe uma outra melodia, a tua que foi a primeira.

Jorge d'Alte