terça-feira, 17 de maio de 2011

...QUE

...Que coisa é essa que me afaga o peito e por direito se entrega a mim?
No procénio como bela actriz ensinaste-me a ser actor. Mil caras desenhei em feições de amor, de desejos, emoções, dor...
Qual foi a mais bela? Perguntaste-me com o sorriso com que me cativaste.
Mãos estão suaves como borboletas beijando a flor.
Lábios de paixão vestidos, tiram-me o néctar da alma. Depois veio o sonho, que como gostoso etílico me inebriou e a pele corria liquida, desvairada, atirando-se da ravina, caindo com estrondo salpicando a gota, meu rio cheio que extravasa as margens da minha alma.
Que coisa é essa que me afaga o peito?


Jorge d'alte